Eu sou o vento de outono


O vento bate nas árvores
bate com muita força.
O que faz à árvore?
Espero que não a torça.
 
Os meninos da escola
vão-se agasalhar
com o frio que está.
É o outono a chegar.
 
Frutos maduros
muito saborosos.
Alguns são duros
mas bem deliciosos!
 
O outono chegou,
com o lindo pôr do sol dourado.
É um encanto da Natureza
por todos apreciado.
Leonor Malaguerra

Conto: Os quatro irmãos


Era uma vez um rei chamado Sol. Todos o conhecem. Todos o estimam.
Poderoso, os seus raios são espadas. Majestoso, os seus raios são de ouro e mais do que todo o ouro valem. Generoso, os seus raios são fios de vida. Poderoso, majestoso e generoso era este rei, mas tinha um grande desgosto - os seus quatro filhos davam-se muito mal uns com os outros.
Chamavam-se os quatro irmãos, por ordem de idade, a começar pelo mais novo: Primavera, Verão, Outono e Inverno. Bulhavam constantemente, porque todos queriam, à uma, governar a Terra. Ora isto não podia ser.
Assim pensando, o rei Sol decidiu que cada um deles governasse por sua vez, durante um certo tempo. As ordens de um pai, para mais rei, e ainda por cima Sol, têm de se cumprir.
O Outono não gostava desta partilha. Queixava-se de que lhe não davam tempo... Ainda estava ele a arrumar e a alindar a casa, pintando tudo da cor da púrpura, em tons e meios tons amarelos doirados, e já o Inverno lhe batia à porta. Então o Outono tinha uma birra e arrancava as folhas das árvores, algumas ainda por pintar...
Saía o Outono com lágrimas nos olhos e entrava o Inverno.
- Em que desordem isto está - exclamava ele, irritado.
E punha-se a varrer. Varria com tanta força que fazia vento. Depois lavava, em grandes bátegas de água, caídas do céu... As sementes e os grãozinhos, que o Outono deitara à terra, assustavam-se:
- Iremos nós também na cheia? - perguntavam uns para os outros.
O Inverno ouvia-os e dizia-lhes:
- Sosseguem! Durmam descansados. Vai tudo dormir um longo sono. Assim tem de ser.
E tão carinhoso ele era que cobria os lugares mais desprotegidos da terra com um manto branco de neve. Lá fora, a Primavera impacientava-se. Não tinha feitio para suportar os vagares do irmão. Às vezes, não se continha que não perguntasse pela frincha da porta:
- Já posso?
Ainda era cedo, mas só de lhe ouvirem a voz, as primeiras flores rompiam a terra. Então, quando ela chegava, era uma festa. Corria a Primavera de lés a lés e não havia ervinha, folha, haste, flor que não quisesse dançar com ela. Era uma enorme roda de alegria.
Mas a folgança não podia continuar sempre. Cansada do bailarico, a Primavera dava de bom grado o seu lugar ao Verão.
- Vamos trabalhar - dizia ele, assim que chegava.
E trabalhava-se, pois então! Os grãos e os frutos amadureciam. As flores arrecadavam tesouros. Nas tocas, nos ninhos, nos cortiços e por toda a parte, as palavras de ordem eram: trabalhar, colher, guardar.
Enquanto, nas praias, uns gozavam as férias, outros, no campo, não tinham descanso.
- O essencial fica feito. Deixo os retoques ao cuidado do meu irmão Outono - dizia o Verão, à despedida.
Lá vinha o Outono, com pincel e tintas apurar as cores. Achava sempre que merecia mais tempo. São tantas as tonalidades, do verde-escuro ao castanho, do laranja ao vermelho... Não se pode fazer obra asseada quando se sente os passos do Inverno a aproximar-se. Que nervos!
Sorrindo no seu trono, o Sol acompanhava a obra dos seus quatro filhos. Descansa. Eles estão a dar muito boa conta de si.
E o Sol, risonho, ainda mais resplandece.
António Torrado (História do dia)  Mais contos de outono AQUI.
 
Portugal é formado por 18 distritos e 2 (duas) regiões autónomas: Madeira e Açores.


Novos amigos: Vamos ver se tens estado atento(a) aos teus novos amigos(as). Adivinha quem são estes dois rostos, propositadamente distorcidos.
 

Foi assim que começámos o novo ano (2012/2013)



Ter amigos é tão bom (É tão bom!)
Eles são tudo para mim (para mim!)
A amizade é tão bela,
A amizade é um mundo sem fim...

Com eles posso brincar,
E segredos posso ter.
Ter amigos é tão bom!
Ter amigos, melhor não pode haver!
Refrão:
Tu podes chorar,
Tu podes sorrir,
Tu podes cantar,
Que um amigo vai sentir...


Tu podes chorar,
Tu podes sorrir,
Tu podes cantar,
Que um amigo vai ouvir... (bis)

Quero ter muitos amigos,
E andar sempre a sorrir...
Se tu queres ser meu amigo
Não precisas nunca de pedir!
 
1.º dia de aulas (14-09-2012): Conto, jogos, pintura, karaoke e muito mais.
Recorda uma das canções que mais divertiram todas as turmas.